quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Texto


Enquanto pintor, todos os motivos me interessam.
Procuro sobretudo jogos de luz e de sombras, cores… os valores e a composição também são decisivos… Na realidade, o que importa mesmo são as emoções que a obra desperta…
Muitas das minhas aguarelas nasceram de um olhar, deixei-me encantar pelo que vi e, apaixonado, realizei o meu trabalho, consciente de que iria partilhar com o público aquele momento único. 
Há alguns aspectos que distinguem a aguarela das outras técnicas de pintura. Não é a dificuldades, como muitos dizem, é o desafio! O suporte (por norma o papel) é uma superfície activa, por isso é tão difícil corrigir o que achamos que não está bem. A aguarela é um trabalho de parceria no qual participam vários intervenientes: o aguarelista, o papel, as tintas, a atmosfera… 
Agostinho da Silva disse que “O mundo acaba sempre por fazer o que sonham os poetas”, pois eu desejo que o mundo faça também o que pintam os aguarelistas.

António Bártolo

Sem comentários:

Publicar um comentário